Dieta low carb

Dieta low carb

Dieta Low Carb

 

            Durante a incessante busca pela perda de peso, muitos optam pela dieta low carb como recurso para obter resultados rápidos. Hoje, vamos falar um pouco sobre como ela funciona, seus resultados e riscos à saúde.

 

Dieta low carb

 

         Assim como nome já diz em inglês, essa dieta consiste na baixa ingestão dos alimentos que compõem o grupo de carboidratos durante o dia. Em compensação à baixa ingestão de carboidratos, aumenta-se a ingestão de alimentos ricos em proteínas e gorduras.

         Entre os alimentos ricos em proteínas, os mais consumidos são as carnes, os peixes e ovos. Já os ricos em gordura incluem abacate, azeite e castanhas. Entre os evitados encontram-se, principalmente, os farináceos como pães, massas, biscoitos, tortas (mesmo integrais) além do arroz, tubérculos (batatas, inhame, cará, mandioca) e doces.

 

Entendendo a função do carboidratos e proteínas

 

          As proteínas fazem parte dos alimentos construtores, ou seja, aqueles que constroem basicamente nossos músculos. Consideradas como alimentos nobres, por serem escassas durante os tempos de caça, a indicação é que componha 15% da ingestão diária de alimentos.

         Os carboidratos fazem parte dos alimentos energéticos, responsáveis por gerar energia para os movimentos e as atividades diárias. Vale a pena lembrar que esse grupo é imprescindível para o bom funcionamento do cérebro, que é abastecido apenas por glicose. Com uma indicação de 55% da ingestão diária, muitas vezes é consumido acima desse percentual, levando ao ganho de peso desordenado.

        Dessa forma, é contra a indicação e as necessidades diárias usar proteínas como fonte de energia, uma vez que existem os alimentos energéticos para desempenhar tal papel. 

 

 

 

 

 

 

 

Consequências da Dieta Low Carb

 

         É sabido que a dieta low carb leva à perda de peso a curto prazo pela restrição do grupo de carboidrato, associado ao acúmulo de peso corporal. Ainda, uma vez que só são consumidas basicamente proteínas, isso contribui para a saciedade e a menor ingestão de alimentos durante as refeições.

         No entanto, não é à toa que a indicação de carboidratos deve compor pelo menos 55% de todas as calorias ingeridas ao dia. Essa indicação é baseada no metabolismo ótimo do nosso organismo, tal que a falta desse grupo alimentar pode gerar consequências ao nosso corpo como a falta de energia, a fraqueza muscular, diminuição da capacidade de raciocínio e ansiedade. Além disso, dependendo das quantidades, pode haver a sobrecarga da filtração do rim pelo grande consumo de proteínas.

        Tudo isso sem mencionar o mais alarmante: no fim da dieta, o indivíduo não consegue manter o padrão alimentar a longo prazo (por se tratar de ser algo fora da sua realidade alimentar) e volta a ganhar os antigos quilinhos, o chamado efeito rebote!

 

O que fazer?

          Primeiro, desconfie de qualquer dieta que seja restritiva (aquela que restringe a quantidade de alimentos ao dia). Uma boa forma de perder peso de forma saudável e definitiva é por meio da mudança dos hábitos alimentares, adequando a ingestão de carboidratos (não retirando!) e melhorando a qualidade dos alimentos. Ou seja, a substituição de alimentos industrializados e ricos em açúcares por naturais, aumentando ingestão de frutas, legumes e verduras além de adicionar alimentos integrais.

          Se ficar com dificuldade, procure sempre um profissional para ajudar e evitar que a sua saúde seja prejudicada. Até a próxima!

 

Cristina Trovó

 

Nutricionista

 

 

 

UTI das Ideias - Soluções Corporativas em Web e Design